Símbolos

Você esta aqui: Home » Ler as Cartas

Ler as Cartas


Ler as cartas

Reuni aqui algumas dicas que considero valiosas para ler a sorte o desenvolvimento do estudo e trabalho com o tarô. Sugiro que as leia com atenção, de preferência mais do que uma vez.

Para ler as cartas inicie os estudos de tarô pelo simbolismo das lâminas originais (baralhos clássicos); entrose-se com a simbologia, estude-a, entende-a, assimile-a.

Uma vez compreendida a estrutura simbólica para ler as cartas defina qual baralho vai trabalhar. É preciso simpatizar-se com ele, deixar que ele "fale com você". De nada adianta ter um baralho tarot caro ou bonito, se ele não atrai para ler as cartas. É preciso gostar do baralho, se familiarizar com ele. Mas, caso opte por algum baralho tarot temático para ler as cartas ou transcultural (egípcio, mitológico, Robin Hood, arturiano, céltico, escandinavo, etc.), estude a estrutura dos mitos ou enredos envolvidos, lembrando que eles não explicam a simbologia dos arcanos, mas estabelecem paralelos.

Se você optou estudar o tarô pela via ocultista (Mebes, Papus, Lévi, Zain, Waite, Crowley, Wirth, Ouspensky, etc), lembre-se que o estudo tem uma aplicação melhor quando o praticante está inserido numa escola iniciática ou alguma ordem esotérica. Não funciona ler as cartas usar linguagem hermética com um consulente, que só está interessado num fim, digamos, "mundano". Cada coisa em seu lugar: esqueça o hermetismo e use a linguagem "feijão com arroz"; vá ao cerne da questão e dê a resposta necessária.

Já que estamos a abordar o tema "linguagem", evite se explicar demais numa interpretação ou usar subterfúgios, para ler as cartas do tipo "Aqui fala de silêncio porque a Papisa está dentro do Templo, segura o livro..." Não funciona! O consulente quer obter uma resposta ou orientação e não está nem aí para o simbolismo das lâminas, a não ser que curta. Evite também ser prolixo, dando voltas e voltas na análise para chegar à resposta ao ler as cartas. Quanto mais queremos explicar, mais inseguros estamos, pois provavelmente queremos convencer a pessoa daquilo que estamos a abordar.

Dê preferência ao método de tiragem "europeu" (um Maior + um Menor por casa) – no mundo, hoje, a maioria das pessoas usa essa metodologia ao ler as cartas. Usar ora um Maior, ora um Menor por casa confunde a leitura, pois são dois grupos distintos de arcanos, apontando para abordagens diferentes.Logo, evite o sistema "americano". No máximo, o sistema "italiano" (em desuso) no qual é utilizado um Maior + dois Menores por casa. Ao ler as cartas forma de embaralhar, cortar, distribuir, normalmente é pessoal. Não há "receita de bolo" para tal. Assim como "consagrar" o baralho de tarot, realizar rituais para energizá-lo, não deixar que as pessoas toquem o mesmo, tudo isso é pessoal e o tarô independe de tais regras "fabricadas", oriundas do credo de cada um. Se optar trabalhar com arcanos invertidos, ao ler as cartas tenha em mente que tipo de atribuição dará a essa configuração. Antigamente, a inversão dos arcanos (sugerida por Eteilla), gerava a inversão dos atributos da lâmina. Hoje, isso está em desuso, pois sabemos que os símbolos não tem polaridade e o que vai dar a um arcano uma atribuição "positiva ou negativa" é a combinação com outro arcano e a casa do método onde ele cair. Tenho uma visão particular quanto à inversão dos arcanos, sem alterar seus significados. Por isso, se usar, defina antes o que vai ser atribuído. Sempre chamo a atenção de todos, quanto a estabelecer as regras e convenções antes de cada análise ao ler as cartas. Fazer uso do tarô para depois convencionar algo, simplesmente não funciona. O tarô segue a intenção de quem o utiliza, logo, ele é manipulável e altamente flexível ao ler as cartas Existem convenções universais e pessoais: a 1ª, normalmente aponta para um consenso geral quanto à viabilidade da regra; o 2º caso, a convenção pode funcionar só com a pessoa. Nos dois casos, familiariarize-se com a coisa. Conheça muito bem o método que trabalhar, Ler carta esmiúce os significados de cada casa, leia, indague, troque opiniões com colegas. O método é a fôrma da leitura. Usando um exemplo, imagine que quer fazer um bolo (leitura). Você precisa dos ingredientes para fazê-lo (baralho escolhido, abordagem, técnica, etc.). Precisa saber como dosar cada ingrediente (conhecimento dos arcanos). Mas, para prepará-lo, precisa de uma forma, um recipiente para colocá-lo (método). Se alguns destes passos falha, ou o bolo sola (ou a tiragem "vai para o saco"). O método, de ler as cartas de tarot tal como a forma, tem que comportar o bolo, senão, ele não sai bonito. Logo, para cada bolo, uma forma diferente (para c. Definitivamente, o tarô não é preciso para definir temporalidade. Ele sugere, dá pistas, mas não é certeiro. A astrologia, nesse ponto, é mais exata. Escolha, então, um tipo de tabela de temporalidade, se familiarize com ela, estude-a, aplique-a. Não tente adequar ou comparar uma tabela com outra porque não dará certo para ler carta. Essa é uma convenção estritamente pessoal: não há unanimidade e, por isso, escolha a sua, mas não imponha que essa ou aquela é melhor ou mais funcional.ada leitura, um método especial). Não tente extrair do tarô, uma resposta que já foi dada. Tem gente que não se convence da tiragem e tenta inúmeras vezes obter a resposta, usando métodos diferentes ou variando a maneira de perguntar sobre a coisa. O tarô responde uma única vez dentro de um prazo de tempo: insistir em obter a resposta ideal, é cair na armadilha do tarôt – confundindo o praticante e deixando-o ainda mais angustiado ao ler a carta . O ambiente, cor de pano, caixa, uso de cristais ou incensos e outras coisitas mais, independe do tarô, para ler a carta, pois ele vai funcionar de qualquer forma. Novamente, isso parte do credo e necessidade de segurança/proteção de cada um, sendo até sugerido, mas não imposto. Aprender ler as cartas de tarot e a interpretar os arcanos é como o aprendizado na alfabetização. Os Maiores são as vogais, os Menores as consoantes. De longa data, sempre houve preconceito com os Arcanos Menores. Algumas ramificações ocultistas sempre consideraram esse grupo de arcanos como parte da cartomancia. Daí, surgiram dissidências quanto ao tarô e o ramo da cartomante. Mesmo que exista mais quantidade de arcanos, considero muito mais fácil aprender os Menores do que os Maiores. É preciso aprender o simbolismo de cada naipe, hierarquia numérica e posicionamentos da Côrte. O resto é consequência. Se for aplicar um método numa comunidade (como as que existem no Orkut), fórum, lista da internet ou outro ambiente virtual, sempre explique que atributos foram dados à casa da tiragem, para melhor aproveitamento de todos e entendimento geral. A combinação do Maior com o Menor se dá por extensão de leitura simbólica: é preciso encadear os arcanos, e não lê-los separadamente, procurando unir as peças e montar uma história, para dar sentido à leitura. Não existe esse negócio de arcano conflitante com outro: "todos eles são peças de um mesmo quebra cabeça", basta que saibamos uni-las. Evite então, ler um arcano por vez, leia-os juntos, integre-os e use a imaginação. Evite colocar o tarô para si mesmo caso esteja envolvido(a) emocionalmente com a questão: a ansiedade, o nervosismo e a angústia são inimigos da leitura, da interpretação e da compreensão. Nesse caso, prefira que outra pessoa faça a tiragem e, se possível, a interpretação. Temos por hábito procurar a resposta certa para nossas questões e projetamos sobre a consulta, nesse caso, aquilo que queríamos ouvir ou alcançar.


Saiba mais sobre Ler as Cartas

MSN: forcasmisticas@hotmail.com , SKYPE: forcasmisticas ou FACEBOOK: Forças Misticas

Ligue para (11) 2626-0523 - (19) 2660-0006 - (21) 3005-5535 - (31) 2626-0068 - (41) 2626-1273 - (48) 4052-9261 - (51) 2626-3036 ou (61) 2626-1267 ou entre em contato por email.

Formas de Pagamento

.

Forças Misticas - atendimento on-line através dos oraculos - São Paulo/SP